Conselhos para deixar de procrastinar na poupança

Já parou para pensar na quantidade de decisões que adia diariamente? Na hora de fazer exercício físico, na aprendizagem de um novo idioma, e inclusivamente no momento de realizar a sua planificação financeira e poupar mensalmente. A procrastinação e a poupança andam de mãos dadas involuntariamente, pelo que neste artigo encontrará alguns conselhos para deixar de lado as desculpas e pôr em dia as suas finanças pessoais.

Dizem-nos desde crianças e reafirmamo-lo em adultos: “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”. A procrastinação trata disso, do hábito de adiar atividades que devem ser realizadas, substituindo-as por outras situações que tendem a ser mais agradáveis e que satisfazem necessidades imediatas. Quando a procrastinação chega à poupança, a nossa economia e a gestão da vida diária tornam-se ineficazes, uma vez que adiamos a concretização de objetivos, como poupar para a reforma. Em consequência, desse adiamento, os gastos sem controlo apoderam-se das nossas vidas e, portanto, poupar converte-se numa tarefa cada vez mais difícil. Quais são as principais razões e desculpas para procrastinar na poupança?

“Não ganho dinheiro suficiente para poupar”

Pensar que haverá tempo para economizar quando começar a ganhar mais dinheiro é um erro, pois deixa o tempo passar com a incerteza de saber se irá aumentar os seus rendimentos a curto prazo. Não há dúvida de que, quanto maior o seu salário, maior será a capacidade de poupança, mas também a possibilidade de continuar a desperdiçar. Se é consciente disso, faça um planeamento, fixe uma proporção aos seus rendimentos mensais para a sua poupança e concretize-a.

“Tenho outras prioridades e gastos no presente”

Há quem considere que a quantidade de despesas no presente impossibilita a realização de uma poupança mensal. No entanto, refletir sobre os gastos que podemos evitar mensalmente, como os gastos formiga, pode fazer-nos compreender que se trata de dar prioridade ao que realmente importa. Que aconteceria se evitasse comer fora uma vez por semana, se deixasse de fumar, ou se abdicasse da aula de pintura que nem tem o hábito de frequentar? Reflita sobre as suas necessidades e poderá descobrir como alguns dos seus hábitos não são tão necessários e pense no que diria ao seu “eu” do futuro.

Fazer um orçamento invertido para acabar com as desculpas

Para deixar de procrastinar na poupança de maneira definitiva, uma das grandes soluções ao seu alcance passa por realizar um orçamento invertido. Para poder executar um orçamento invertido ou “reverse budgeting”, será necessário estabelecer primeiro no seu orçamento mensal um valor ou percentagem destinado à poupança. Ou seja, deverá dar prioridade à poupança na hora de planear os seus gastos mensais de acordo com os seus rendimentos. Para o tornar possível de uma maneira mais ligeira, a regra 50/20/30 da poupança pode servir-lhe de ajuda para conseguir a disciplina financeira que tanto anseia. Graças a esta técnica terá a certeza de que poderá guardar parte do seu dinheiro todos os meses e verá crescer as suas economias.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.
null A temporada de desportos de neve está de volta: esqui e snowboard

A temporada de desportos de neve está de volta: esqui e snowboard

Durante a estação mais fria do ano, é comum que o pecado mortal da preguiça nos visite. Especialmente quando pensamos em nos exercitar. O frio ou o mau tempo servem como desculpa para justificar o abandono do desporto e tornam-se a razão pela qual ficamos em casa. No entanto, existem certas disciplinas desportivas que nos farão adorar, mais do que nunca, o exercício no inverno: os chamados desportos de neve.

Embora seja verdade que podem ser praticados durante todo o ano, os meses de dezembro, janeiro e fevereiro são os melhores se quer tornar a neve o seu elemento desportivo indispensável. Adequados para todas as idades, o esqui e o snowboard são os dois desportos mais conhecidos desta temporada. Além disso, a sua popularidade tem vindo a aumentar ao longo dos anos e, atualmente, até é comum ver famílias inteiras com pranchas e bastões.

Sem dúvida que o esqui é o mais conhecido dos desportos de inverno. Estima-se que atualmente já entre 60 a 80 mil portugueses façam, a título regular, uma semana de férias na neve. Para aqueles que nunca praticaram, pode ser um pouco complicado e até mesmo suscitar algum medo. No entanto, qualquer pessoa com um pouco de prática, paciência e prudência pode gostar de esquiar.

Por sua vez, o snowboard é uma variante do esqui. A técnica é muito semelhante mas, em vez de deslizar na neve com dois esquis e ser impulsionado pela ajuda dos bastões, é praticado com uma prancha. A sua estética, a mistura entre skate, surf e ski, fez com que ganhasse popularidade, especialmente entre os mais jovens.

Conselhos para esquiar ou praticar snowboard com facilidade e em segurança

Se está a pensar em fazer uma pequena viagem sazonal para desfrutar destes desportos ou apenas quer animar-se e descobrir se é a sua paixão, damos-lhe alguns conselhos para começar. Como dissemos anteriormente, estes desportos são adequados para todos os públicos e, graças à neve, vão encantar os mais pequenos.

  1. Perder o medo

Esqui e snowboard são desportos "viciantes". A adrenalina vai disparar assim que começar a praticar. Além disso, sentir o contato com a natureza é uma característica que nem todos os desportos lhe proporcionam. No entanto, a primeira barreira enfrentada por aqueles que estão a começar é o medo. Quem é que não caiu uma vez? É muito importante sentir confiança em si mesmo, mesmo se estiver a aprender, e aceitar que as quedas são habituais e vão ajudar na aprendizagem.

  1. Escolher bem tanto o equipamento como a roupa

Vestir-se adequadamente significa comprar ou alugar certas roupas que nos isolam do vento, do frio, do sol e da humidade. As camisas e calças interiores devem ser térmicas, mas respiráveis ao mesmo tempo. Devemos também equipar-nos com luvas, gorros, proteger o pescoço, capacetes e, muito importante, bons óculos de sol para que a nossa visão não sofra.

Além das roupas, recomenda-se que, se não for um especialista, peça ajuda na escolha do equipamento de esqui ou snowboard. Certifique-se, entre outros exemplos, que as botas são o seu número, que não são desconfortáveis e lhe servem bem. Se optar pelo snowboard, terá que aprender se é Goofy (o seu pé "dominante" é o direito, o pé que coloca primeiro na prancha) ou Regular (a perna esquerda na frente da prancha).

  1. Contrate um instrutor

Durante a estação, faça aulas com um instrutor. Vai ajudá-lo a evitar certos 'vícios', como posições erradas, que são comuns entre os principiantes. Além disso, vai ensinar-lhe como abrandar, virar, deslizar suavemente na neve... Muitas das classes são definidas em função da experiência do desportista, por isso não se iluda e junte-se à classe que realmente é adequada ao seu conhecimento.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.