Conselhos para deixar de procrastinar na poupança

Já parou para pensar na quantidade de decisões que adia diariamente? Na hora de fazer exercício físico, na aprendizagem de um novo idioma, e inclusivamente no momento de realizar a sua planificação financeira e poupar mensalmente. A procrastinação e a poupança andam de mãos dadas involuntariamente, pelo que neste artigo encontrará alguns conselhos para deixar de lado as desculpas e pôr em dia as suas finanças pessoais.

Dizem-nos desde crianças e reafirmamo-lo em adultos: “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”. A procrastinação trata disso, do hábito de adiar atividades que devem ser realizadas, substituindo-as por outras situações que tendem a ser mais agradáveis e que satisfazem necessidades imediatas. Quando a procrastinação chega à poupança, a nossa economia e a gestão da vida diária tornam-se ineficazes, uma vez que adiamos a concretização de objetivos, como poupar para a reforma. Em consequência, desse adiamento, os gastos sem controlo apoderam-se das nossas vidas e, portanto, poupar converte-se numa tarefa cada vez mais difícil. Quais são as principais razões e desculpas para procrastinar na poupança?

“Não ganho dinheiro suficiente para poupar”

Pensar que haverá tempo para economizar quando começar a ganhar mais dinheiro é um erro, pois deixa o tempo passar com a incerteza de saber se irá aumentar os seus rendimentos a curto prazo. Não há dúvida de que, quanto maior o seu salário, maior será a capacidade de poupança, mas também a possibilidade de continuar a desperdiçar. Se é consciente disso, faça um planeamento, fixe uma proporção aos seus rendimentos mensais para a sua poupança e concretize-a.

“Tenho outras prioridades e gastos no presente”

Há quem considere que a quantidade de despesas no presente impossibilita a realização de uma poupança mensal. No entanto, refletir sobre os gastos que podemos evitar mensalmente, como os gastos formiga, pode fazer-nos compreender que se trata de dar prioridade ao que realmente importa. Que aconteceria se evitasse comer fora uma vez por semana, se deixasse de fumar, ou se abdicasse da aula de pintura que nem tem o hábito de frequentar? Reflita sobre as suas necessidades e poderá descobrir como alguns dos seus hábitos não são tão necessários e pense no que diria ao seu “eu” do futuro.

Fazer um orçamento invertido para acabar com as desculpas

Para deixar de procrastinar na poupança de maneira definitiva, uma das grandes soluções ao seu alcance passa por realizar um orçamento invertido. Para poder executar um orçamento invertido ou “reverse budgeting”, será necessário estabelecer primeiro no seu orçamento mensal um valor ou percentagem destinado à poupança. Ou seja, deverá dar prioridade à poupança na hora de planear os seus gastos mensais de acordo com os seus rendimentos. Para o tornar possível de uma maneira mais ligeira, a regra 50/20/30 da poupança pode servir-lhe de ajuda para conseguir a disciplina financeira que tanto anseia. Graças a esta técnica terá a certeza de que poderá guardar parte do seu dinheiro todos os meses e verá crescer as suas economias.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.
null Como contribuir para o desenvolvimento sustentável durante o Natal

Como contribuir para o desenvolvimento sustentável durante o Natal

Alterações climáticas, emergência climática ou justiça climática são algumas das expressões mais populares dos últimos 15 dias. Isto demonstra que estamos cada vez mais conscientes da necessidade de sustentabilidade nas nossas decisões diárias. Isso implica que, não só os governos devem tomar medidas, como também a sociedade civil, em todas as épocas do ano.

A Conferência do Clima reuniu mais de 70 países para alcançar um “pacto verde”. As decisões tomadas nas mesas de negociações e nas salas de reuniões vão ser fundamentais para um futuro sustentável, sobretudo para a aplicação do Acordo de Paris, a partir de 2020. São medidas ambiciosas para enfrentar uma emergência climática, mas também muito necessárias.  

Além da Conferência e dos governos, a população em geral está cada vez mais consciente da necessidade de cuidar do ambiente. Liderados pelos mais jovens e pelas suas manifestações #FridaysForFuture, a sociedade caracteriza-se por estar mais comprometida com os aspetos ecológicos. Reutilizar, reciclar ou evitar o plástico são algumas das medidas clássicas para reduzir a nossa pegada ambiental.

O certo é que, segundo diferentes estudos, os portugueses têm uma maior consciência ecológica. Segundo o 3º Estudo do Observatório do Consumo Consciente, os portugueses estão mais preocupados com o ambiente (69%, com uma subida de 2 p.p.). E, 84% dos portugueses fazem reciclagem de resíduos, apontando a preservação do ambiente como o que mais os motiva (97%). Para atingir este último objetivo, há um conjunto de medidas que pode implementar para reduzir o consumo de água, conselhos específicos para poupar energia no verão ou gastar menos energia para se aquecer no inverno.

É possível ser sustentável em épocas como o Natal?

Movidos pelo consumismo, pelos presentes, pelos exageros com refeições abundantes, e mesmo com o aumento da fatura com as luzes e decorações natalícias, acontece muitas vezes que, durante estas datas, ficamos mais flexíveis em relação ao nosso compromisso com o ambiente e, consequentemente, com a nossa preocupação com a poupança. Como controlar a nossa pegada ecológica com tantas compras e exageros? Oferecemos-lhe as melhores ideias para celebrar o Natal de forma responsável, cuidando do planeta.

  1. Para evitar esbanjar no consumismo dos presentes, planifique e elabore um orçamento para as compras. Procure não se desviar.

Aposte no comércio justo. Enfrente as grandes marcas e cadeias realizando as suas compras em lojas de bairro e contribuirá para o desenvolvimento social e económico.

  1. Porque não optar por reutilizar? Por um lado, pode optar por reutilizar a roupa para evitar compras desnecessárias, mas também reutilizar a decoração natalícia como a árvore, o presépio, etc.
  2. Época de humanismo e solidariedade. Há quanto tempo é que fez um último gesto solidário? Termine e comece o ano com boa vontade e recorde que também pode ser solidário no seu dia a dia com pequenos detalhes. 
  3. Evite o plástico sempre que possível. Trata-se de uma medida que devemos implementar todos os dias, mas no Natal é altamente necessária. Por exemplo, se vai fazer as compras de Natal leve o seu próprio saco de tecido. Além disso, ponha a reluzir a suas melhores louças e fuja das toalhas, copos ou pratos de plástico.
  4. Em relação à comida, se cozinhar em casa é recomendável optar por quantidades moderadas, ajustar a quantidade ao número de convidados e guardar ou congelar as sobras.

Gastos de Janeiro? Não tenha medo, já que a sustentabilidade vai ajudá-lo a poupar depois das festas natalícias. Algumas ideias: transporte partilhado, regular mais o aquecimento e ajustar o orçamento às compras.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.