Conselhos para deixar de procrastinar na poupança

Já parou para pensar na quantidade de decisões que adia diariamente? Na hora de fazer exercício físico, na aprendizagem de um novo idioma, e inclusivamente no momento de realizar a sua planificação financeira e poupar mensalmente. A procrastinação e a poupança andam de mãos dadas involuntariamente, pelo que neste artigo encontrará alguns conselhos para deixar de lado as desculpas e pôr em dia as suas finanças pessoais.

Dizem-nos desde crianças e reafirmamo-lo em adultos: “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”. A procrastinação trata disso, do hábito de adiar atividades que devem ser realizadas, substituindo-as por outras situações que tendem a ser mais agradáveis e que satisfazem necessidades imediatas. Quando a procrastinação chega à poupança, a nossa economia e a gestão da vida diária tornam-se ineficazes, uma vez que adiamos a concretização de objetivos, como poupar para a reforma. Em consequência, desse adiamento, os gastos sem controlo apoderam-se das nossas vidas e, portanto, poupar converte-se numa tarefa cada vez mais difícil. Quais são as principais razões e desculpas para procrastinar na poupança?

“Não ganho dinheiro suficiente para poupar”

Pensar que haverá tempo para economizar quando começar a ganhar mais dinheiro é um erro, pois deixa o tempo passar com a incerteza de saber se irá aumentar os seus rendimentos a curto prazo. Não há dúvida de que, quanto maior o seu salário, maior será a capacidade de poupança, mas também a possibilidade de continuar a desperdiçar. Se é consciente disso, faça um planeamento, fixe uma proporção aos seus rendimentos mensais para a sua poupança e concretize-a.

“Tenho outras prioridades e gastos no presente”

Há quem considere que a quantidade de despesas no presente impossibilita a realização de uma poupança mensal. No entanto, refletir sobre os gastos que podemos evitar mensalmente, como os gastos formiga, pode fazer-nos compreender que se trata de dar prioridade ao que realmente importa. Que aconteceria se evitasse comer fora uma vez por semana, se deixasse de fumar, ou se abdicasse da aula de pintura que nem tem o hábito de frequentar? Reflita sobre as suas necessidades e poderá descobrir como alguns dos seus hábitos não são tão necessários e pense no que diria ao seu “eu” do futuro.

Fazer um orçamento invertido para acabar com as desculpas

Para deixar de procrastinar na poupança de maneira definitiva, uma das grandes soluções ao seu alcance passa por realizar um orçamento invertido. Para poder executar um orçamento invertido ou “reverse budgeting”, será necessário estabelecer primeiro no seu orçamento mensal um valor ou percentagem destinado à poupança. Ou seja, deverá dar prioridade à poupança na hora de planear os seus gastos mensais de acordo com os seus rendimentos. Para o tornar possível de uma maneira mais ligeira, a regra 50/20/30 da poupança pode servir-lhe de ajuda para conseguir a disciplina financeira que tanto anseia. Graças a esta técnica terá a certeza de que poderá guardar parte do seu dinheiro todos os meses e verá crescer as suas economias.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.
null Como escolher uma creche adequada para os seus filhos?

Hoje em dia todos concordam que a idade dos 0-3 anos é vital para o desenvolvimento integral das crianças, por isso, a escola ajuda-os a aprender, através de várias brincadeiras e também a descobrir as suas habilidades e desejos, sendo assim cumpridas as suas necessidades básicas de higiene, descanso e alimentação. O mais importante é escolher uma creche que responda a todos os requisitos. E quais são estes?

Uma creche oferece um serviço educacional abrangente e funciona de maneira organizacional, assim como outras escolas de nível superior. É obrigatório que a escola esteja legalizada e autorizada, como sendo uma creche, e com um número de identificação registado. Além disso, deve cumprir os requisitos correspondentes, tais como os índices máximos, a adaptação do perfil dos profissionais, assim como o controlo de espaços e materiais. Tudo isto é garantido através de inspeções periódicas obrigatórias.

Além destas obrigações, cada escola tem as suas características específicas que vão ajudar os pais a decidir qual a melhor. A rede da PSN Bicos em Espanha (Corunha, Pontevedra e Salamanca) pode orgulhar-se do seu projeto educativo, constantemente a ser atualizado, das suas instalações extensas e seguras, de uma educação trilingue e da sua própria cozinha, entre outros aspetos. Mas o que faz realmente a diferença é a equipa de profissionais. "Trabalhamos em equipa e de maneira coordenada. O nosso segredo é viver intensamente a nossa profissão. Acreditamos firmemente que estamos a fazer algo grandioso, respeitamos cada criança e acompanhamo-la na experimentação e descoberta do mundo. As crianças aprendem e desfrutam ao mesmo tempo. Somos muito ativos, temos sentido de humor e amamos formar e conversar com as famílias. Com uma boa equipa qualquer meta é alcançável ", afirma Carolina Posada, diretora da PSN Pontevedra.

Para Carolina é importante inovar todos os dias, criar experiências para ajudar as crianças a descobrir o que mais gostam de fazer, ou seja, o seu talento. "O que deveria ser tido em conta durante o resto da etapa escolar. Não se trata só ensinar, é também educar o seu pensamento, fazer com que a criança se questione sobre as coisas e tenha um pensamento crítico". Por outro lado, e sendo imprescindível ter rotinas, é necessário também sair delas. "Temos de ser flexíveis e estar abertos a tudo. O que terá impacto sobre as crianças para que sejam mais flexíveis e estejam dispostas a enfrentar novos desafios.”

Respeitar o período de adaptação

Uma vez selecionada a escola adequada, surge aquele que é chamado período de adaptação. "No projeto PSN Bicos fazemos com que o período de adaptação comece a partir de casa. Numa reunião prévia com as famílias orientamo-los sobre como devem ir inserindo o tema, damos algumas indicações para facilitar o processo e como devem ser as suas atitudes com os mais pequenos". O ideal é ir cumprindo este processo a pouco a pouco. "Nós respeitamos as necessidades de cada criança. Existem algumas que rapidamente estreitam laços com os seus professores e colegas, mas existem outros que têm mais dificuldade. No período de adaptação é muito importante a afetividade e o carinho”.

No que diz respeito às famílias, estas formam uma parte ativa das escolas "Para além de entrarem livremente para deixar e ir buscar os mais pequenos, incentivamos a sua participação em excursões, nas leituras de histórias, quando falamos nas profissões, nos workshops para famílias e também fomentamos o contacto com os professores e delegados de turma.

Para transformar a escola num espaço ótimo para a vida de uma criança, a creche tem de estar muito próxima da família e fomentar a colaboração." Outra particularidade do Projeto PSN Bicos é que não encerra durante o ano. "Celebramos todas as festas: fazemos a vindima, festejamos o Halloween, o Natal, o Dia da Tolerância e da Paz, o Dia dos Animais, o Dia da Felicidade ... Para além de que os workshops ou acampamentos extraescolares também podem incluir os irmãos mais velhos dos alunos desde que tenham até 8 anos. O que é algo muito valorizado pela famílias".

As dificuldades visíveis nas primeiras etapas

No que respeita à forma como as escolas ajudam as crianças com dificuldades diagnosticadas, a diretora da PSN de Pontevedra destaca que "colaboramos assiduamente com gabinetes que nos aconselham.” Para além disso, é nesta primeira etapa que "podemos ter consciência de algumas dificuldades nas crianças e informamos as famílias". "A individualização na educação, é prioridade máxima e as características próprias de cada individuo são tão distintas e tão diferentes que confirmam o que chamamos de diversidade.
No projeto Bicos acreditamos firmemente na diversidade e defendemos a inclusão mais do que a integração, por isso, as nossas portas estão sempre abertas. Temos nas nossas mãos o seu futuro e acreditamos firmemente no nosso papel dentro da sociedade, por isso, fomentamos tanto a educação em valores (respeito e tolerância, igualdade de género, respeito pelo meio ambiente, pelo animais, solidariedade e hábitos saudáveis...). Nós identificamo-nos com a frase "Todos se preocupam em deixar um planeta melhor aos nossos filhos. Porque é que não tentamos deixar melhores filhos ao planeta? O nosso trabalho procura consegui-lo.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.