Conselhos para deixar de procrastinar na poupança

Já parou para pensar na quantidade de decisões que adia diariamente? Na hora de fazer exercício físico, na aprendizagem de um novo idioma, e inclusivamente no momento de realizar a sua planificação financeira e poupar mensalmente. A procrastinação e a poupança andam de mãos dadas involuntariamente, pelo que neste artigo encontrará alguns conselhos para deixar de lado as desculpas e pôr em dia as suas finanças pessoais.

Dizem-nos desde crianças e reafirmamo-lo em adultos: “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”. A procrastinação trata disso, do hábito de adiar atividades que devem ser realizadas, substituindo-as por outras situações que tendem a ser mais agradáveis e que satisfazem necessidades imediatas. Quando a procrastinação chega à poupança, a nossa economia e a gestão da vida diária tornam-se ineficazes, uma vez que adiamos a concretização de objetivos, como poupar para a reforma. Em consequência, desse adiamento, os gastos sem controlo apoderam-se das nossas vidas e, portanto, poupar converte-se numa tarefa cada vez mais difícil. Quais são as principais razões e desculpas para procrastinar na poupança?

“Não ganho dinheiro suficiente para poupar”

Pensar que haverá tempo para economizar quando começar a ganhar mais dinheiro é um erro, pois deixa o tempo passar com a incerteza de saber se irá aumentar os seus rendimentos a curto prazo. Não há dúvida de que, quanto maior o seu salário, maior será a capacidade de poupança, mas também a possibilidade de continuar a desperdiçar. Se é consciente disso, faça um planeamento, fixe uma proporção aos seus rendimentos mensais para a sua poupança e concretize-a.

“Tenho outras prioridades e gastos no presente”

Há quem considere que a quantidade de despesas no presente impossibilita a realização de uma poupança mensal. No entanto, refletir sobre os gastos que podemos evitar mensalmente, como os gastos formiga, pode fazer-nos compreender que se trata de dar prioridade ao que realmente importa. Que aconteceria se evitasse comer fora uma vez por semana, se deixasse de fumar, ou se abdicasse da aula de pintura que nem tem o hábito de frequentar? Reflita sobre as suas necessidades e poderá descobrir como alguns dos seus hábitos não são tão necessários e pense no que diria ao seu “eu” do futuro.

Fazer um orçamento invertido para acabar com as desculpas

Para deixar de procrastinar na poupança de maneira definitiva, uma das grandes soluções ao seu alcance passa por realizar um orçamento invertido. Para poder executar um orçamento invertido ou “reverse budgeting”, será necessário estabelecer primeiro no seu orçamento mensal um valor ou percentagem destinado à poupança. Ou seja, deverá dar prioridade à poupança na hora de planear os seus gastos mensais de acordo com os seus rendimentos. Para o tornar possível de uma maneira mais ligeira, a regra 50/20/30 da poupança pode servir-lhe de ajuda para conseguir a disciplina financeira que tanto anseia. Graças a esta técnica terá a certeza de que poderá guardar parte do seu dinheiro todos os meses e verá crescer as suas economias.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.
null Descobrir a Benidorm desconhecida

Descobrir a Benidorm desconhecida

Benidorm, uma cidade espanhola conhecida por muitos e certamente já visitada por muitos e muitos portugueses, não deixa ninguém indiferente. Seja pelos seus impressionantes edifícios que arranham o céu, pelas suas longas e concorridas praias ou pelo seu vasto leque de atividades de lazer, esta cidade é o cocktail perfeito para se tornar no destino favorito de muitos europeus, que se mantêm fiéis todos os anos. Benidorm pode gabar-se de ter alcançado a fórmula turística de sucesso que, longe de se esgotar, consegue aumentar a sua população a cada verão para mais de 400.000 habitantes, apesar de possuir apenas 70.000 moradores registrados.

Com um microclima que garante mais de 360 dias de Sol resultante de uma geografia quase única, graças às barreiras naturais do Norte (a montanha Puig Campana com 1.400 metros e a Serra de Aitana, atrás, com quase 1.800 metros de altitude), do Oriente (Sierra Bernia e Altea, do Oeste), as elevações montanhosas entre Alicante e Villajoyosa, bem como uma orientação ideal das suas praias para o sul. Isto permite uma infinidade de atividades em qualquer estação do ano.

No entanto, Benidorm é muito mais do que vemos, ouvimos e lemos nos meios de comunicação social. Correndo o risco de parecer uma contradição, pode mesmo ser o lugar perfeito para descontrair, relaxar e desfrutar de praias quase virgens e de uma flora indígena, longe da agitação de todos os verões – e uma das suas grandes atrações escondidas é a enorme variedade de possibilidades oferecidas para caminhadas.

 

Descobrindo o Puig Campana e as zonas envolventes

 

A subida ao Puig Campana é uma das rotas de caminhadas míticas da Comunidade Valenciana. O percurso começa nos 350 metros de altura e sobe até aos 1.408 metros.

Existem opções de subida com diferentes níveis de intensidade: fazer o quilómetro vertical, para os mais experientes e destemidos, ou escalar para a parte Norte, que funciona numa rota menos complicada.

O Puig Campana tem aproximadamente 16 quilómetros de subida com uma diferença de 1.100 metros, alcançando o cume em pouco mais de 5 horas a pé. Só para ver as vistas de tirar o fôlego, de toda a Marina Baixa, vale bem o esforço.

Para um itinerário mais acessível há a opção da Serra Gelada (Sierra Helada). É uma rota de quase 12 quilómetros de distância e 825 metros de desnível, fácil de completar em pouco mais de quatro horas. O seu lado sudeste, de frente para o mar, oferece impressionantes falésias e vistas, onde é possível, dependendo da época do ano, observar golfinhos. Toda a cordilheira é protegida como um parque natural e abriga uma interessante duna fóssil e duas micro-reservas de flora.

 

Três incentivos extra para visitar Benidorm

 

 

 

 

 

 

  • Praias e enseadas virgens: existem espaços tranquilos e íntimos longe da azáfama da cidade. La Cala del Tío Ximo, uma enseada com areia branca e rochas localizada na encosta do Parque Natural da Sierra Helada, é um local onde é comum encontrar mergulhadores que exploram a área. A Almadraba, localizado ao lado da anterior, é outra enseada natural e escondida com muito charme, onde as alvoradas deixam muitas pessoas sem palavras.

 

 

 

 

 

 

  • Mergulho na ilha de Benidorm: é um dos locais de mergulho mais requisitados do Mediterrâneo espanhol, graças à sua riqueza e diversidade de fundos marinhos. Além disso, existem mergulhos para todos os níveis.

 

 

 

 

 

 

  • Gastronomia - um arroz na praia: visitar Benidorm e não comer um Arroz a Banda ou um Arroz de Marisco é pecado. Longe do caótico centro urbano podemos desfrutar de inúmeros restaurantes com suprema qualidade nos arrozes que servem aos clientes. Desde um arroz servido junto à praia - uma boa opção é no 'Modesto' – até uma sobremesa relaxada ao som de pássaros em lugares como o 'El Niño'.
Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.