Covid 2019: Decreto-Lei n.º 20-F/2020, de 12 de maio

A entrada em vigor no dia 13 de maio de 2020 do Decreto-Lei n.º 20-F/2020 de 12 de maio, permite-nos estabelecer, ainda que de forma excecional e temporária, algumas medidas mais favoráveis para os nossos clientes no que respeita ao pagamento do prémio do seguro.

Assim, se o cliente não proceder ao pagamento em tempo oportuno do prémio ou fração com vencimento entre 13 de maio de 2020 e 30 de setembro de 2020 relativamente a qualquer seguro obrigatório, tem mais 60 dias para liquidar o pagamento, mantendo-se a cobertura obrigatória por um período adicional de 60 dias contados a partir da data de vencimento do prémio ou fração em dívida. O cliente pode opor-se à manutenção do contrato referido até ao final da data de vencimento informando-nos da sua vontade de forma legítima. Na ausência de oposição, a cobertura obrigatória permanecerá em vigor, com a possibilidade de pagamento do prémio no período adicional de 60 dias.

A legislação acima referida estabelece ainda um regime especial aplicável aos clientes que exerçam atividades que se encontrem suspensas, com estabelecimentos encerrados, ou que também tenham sofrido reduções significativas em resultado das medidas adotadas em resposta à pandemia da doença COVID-19.

Os clientes que demonstrem o cumprimento das condições estabelecidas no documento legal podem solicitar que essas circunstâncias sejam refletidas no prémio de seguro que cobre os riscos da atividade e/ou solicitar o fracionamento do pagamento dos prémios da anuidade em vigor sem quaisquer custos adicionais.

Se necessitar de algum esclarecimento, estamos à sua disposição através do telefone 308 805 169 ou do e-mail mutualista@grupopsn.pt.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.

Covid 2019: Decreto-Lei n.º 20-F/2020, de 12 de maio

A entrada em vigor no dia 13 de maio de 2020 do Decreto-Lei n.º 20-F/2020 de 12 de maio, permite-nos estabelecer, ainda que de forma excecional e temporária, algumas medidas mais favoráveis para os nossos clientes no que respeita ao pagamento do prémio do seguro.

Assim, se o cliente não proceder ao pagamento em tempo oportuno do prémio ou fração com vencimento entre 13 de maio de 2020 e 30 de setembro de 2020 relativamente a qualquer seguro obrigatório, tem mais 60 dias para liquidar o pagamento, mantendo-se a cobertura obrigatória por um período adicional de 60 dias contados a partir da data de vencimento do prémio ou fração em dívida. O cliente pode opor-se à manutenção do contrato referido até ao final da data de vencimento informando-nos da sua vontade de forma legítima. Na ausência de oposição, a cobertura obrigatória permanecerá em vigor, com a possibilidade de pagamento do prémio no período adicional de 60 dias.

A legislação acima referida estabelece ainda um regime especial aplicável aos clientes que exerçam atividades que se encontrem suspensas, com estabelecimentos encerrados, ou que também tenham sofrido reduções significativas em resultado das medidas adotadas em resposta à pandemia da doença COVID-19.

Os clientes que demonstrem o cumprimento das condições estabelecidas no documento legal podem solicitar que essas circunstâncias sejam refletidas no prémio de seguro que cobre os riscos da atividade e/ou solicitar o fracionamento do pagamento dos prémios da anuidade em vigor sem quaisquer custos adicionais.

Se necessitar de algum esclarecimento, estamos à sua disposição através do telefone 308 805 169 ou do e-mail mutualista@grupopsn.pt.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.
null Poupar no regresso às aulas graças à Internet

Poupar no regresso às aulas graças à Internet

Enquanto para os mais novos o mês de setembro significa regressar à escola, reaproximar-se das suas amizades e adaptar-se à rotina das aulas, para os pais significa um gasto importante de dinheiro, à medida que os dias de verão vão ficando para trás.

Livros, materiais escolares, bibes ou uniformes, roupa de ginástica... Para tudo isto há inúmeras formas de economizar, começando com uma boa planificação, passando pelo aproveitamento e reciclagem e terminando na busca pelo melhor preço e pelas melhores condições de compra.

No entanto, neste texto vamos concentrar-nos nas formas de economizar usando as soluções online disponíveis para o regresso às aulas, ao alcance de um simples clique, usando comparadores de preços, plataformas de venda em segunda-mão e lojas online.

Quanto dinheiro vamos gastar no regresso às aulas?

Para o ano letivo de 2018-2019 os portugueses contam gastar uma média de 487 euros em material escolar - mais 88 euros do que no ano letivo passado - segundo um inquérito divulgado em agosto pelo estudo Observador Cetelem.

Nestes custos o valor dos livros estarão parcialmente de fora para muitas famílias, uma vez que os manuais escolares para alunos entre o 1º e o 6º ano serão gratuitos, com acesso garantido a partir da plataforma MEGA, que deverá chegar a 500 mil alunos.

Aos custos típicos com livros, cadernos, material escolar diverso, uniformes, equipamentos de ginástica e, em alguns casos, instrumentos musicais, deveremos também adicionar os valores associados a despesas mensais como propinas (ensino privado), atividades extracurriculares, serviços de almoço, transporte, etc..

Conselhos básicos para comprar online em segurança

A segurança durante o processo de escolha e compra online deverá ser a primeira preocupação a ter. Seguindo as recomendações que aqui deixamos, os riscos ficarão significativamente reduzidos ou serão mesmo eliminados:

  • Tenha especial cuidado com páginas fraudulentas: compre apenas em sites fiáveis, que lhe permitam pagar através de plataformas seguras.
  • Em caso de problemas, enquanto consumidor, os seus direitos são os mesmos como se fizesse a compra numa loja física: não hesite em reivindicar ou exigir a devolução do seu dinheiro.
  • Embora nas compras online possamos encontrar preços que prometem reduções até 70%, desconfie sempre dos sites que propõem grandes descontos - especialmente se estas propostas chegarem através das redes sociais ou de serviços de mensagens, como o WhatsApp.

Recursos da Web para economizar no regresso às aulas

A compra online de livros e materiais escolares está a aumentar em Portugal e já no ano passado cerca de metade dos portugueses