Conselhos para deixar de procrastinar na poupança

Já parou para pensar na quantidade de decisões que adia diariamente? Na hora de fazer exercício físico, na aprendizagem de um novo idioma, e inclusivamente no momento de realizar a sua planificação financeira e poupar mensalmente. A procrastinação e a poupança andam de mãos dadas involuntariamente, pelo que neste artigo encontrará alguns conselhos para deixar de lado as desculpas e pôr em dia as suas finanças pessoais.

Dizem-nos desde crianças e reafirmamo-lo em adultos: “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”. A procrastinação trata disso, do hábito de adiar atividades que devem ser realizadas, substituindo-as por outras situações que tendem a ser mais agradáveis e que satisfazem necessidades imediatas. Quando a procrastinação chega à poupança, a nossa economia e a gestão da vida diária tornam-se ineficazes, uma vez que adiamos a concretização de objetivos, como poupar para a reforma. Em consequência, desse adiamento, os gastos sem controlo apoderam-se das nossas vidas e, portanto, poupar converte-se numa tarefa cada vez mais difícil. Quais são as principais razões e desculpas para procrastinar na poupança?

“Não ganho dinheiro suficiente para poupar”

Pensar que haverá tempo para economizar quando começar a ganhar mais dinheiro é um erro, pois deixa o tempo passar com a incerteza de saber se irá aumentar os seus rendimentos a curto prazo. Não há dúvida de que, quanto maior o seu salário, maior será a capacidade de poupança, mas também a possibilidade de continuar a desperdiçar. Se é consciente disso, faça um planeamento, fixe uma proporção aos seus rendimentos mensais para a sua poupança e concretize-a.

“Tenho outras prioridades e gastos no presente”

Há quem considere que a quantidade de despesas no presente impossibilita a realização de uma poupança mensal. No entanto, refletir sobre os gastos que podemos evitar mensalmente, como os gastos formiga, pode fazer-nos compreender que se trata de dar prioridade ao que realmente importa. Que aconteceria se evitasse comer fora uma vez por semana, se deixasse de fumar, ou se abdicasse da aula de pintura que nem tem o hábito de frequentar? Reflita sobre as suas necessidades e poderá descobrir como alguns dos seus hábitos não são tão necessários e pense no que diria ao seu “eu” do futuro.

Fazer um orçamento invertido para acabar com as desculpas

Para deixar de procrastinar na poupança de maneira definitiva, uma das grandes soluções ao seu alcance passa por realizar um orçamento invertido. Para poder executar um orçamento invertido ou “reverse budgeting”, será necessário estabelecer primeiro no seu orçamento mensal um valor ou percentagem destinado à poupança. Ou seja, deverá dar prioridade à poupança na hora de planear os seus gastos mensais de acordo com os seus rendimentos. Para o tornar possível de uma maneira mais ligeira, a regra 50/20/30 da poupança pode servir-lhe de ajuda para conseguir a disciplina financeira que tanto anseia. Graças a esta técnica terá a certeza de que poderá guardar parte do seu dinheiro todos os meses e verá crescer as suas economias.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.
null Quanto gastamos a fazer compras; conselhos para poupar

Quanto gastamos a fazer compras; conselhos para poupar

Na hora de planear estratégias de poupança, existe uma tendência para se concentrar em evitar pequenas despesas, extravagâncias e reduzir em determinados tipos de consumo. No entanto, por muito estranho que pareça, poupar enquanto faz compras também é possível. Fazer as compras básicas e necessárias para o nosso dia a dia é uma despesa inevitável e essencial que, ainda assim, conseguimos otimizar para manter o dinheiro no nosso bolso. E, fazer pequenas poupanças nas nossas compras mensais, pode ter um grande impacto na nossa economia, passado um ano. Quanto gastamos a fazer compras?

O dinheiro gasto pelas pessoas em mercados e supermercados varia consoante o número de membros que compõem o agregado familiar, se vivem sozinhos ou em família, a renda mensal, a cidade e o país onde vivem… Ainda assim, o gasto médio em compras por cada lar português ascendeu, em 2018, a uma média de 512€ por mês. A regra 50/20/30 da poupança, da qual já falámos no nosso blog, inclui estas despesas em 50% do orçamento mensal das pessoas. No entanto, uma elevada quantidade das nossas despesas em supermercados pode levar-nos a exceder esses 50%, por isso é importante conhecer algumas técnicas para reduzir despesas e poupar. 

Fazer compras mensal ou semanalmente?

Embora as associações de consumidores recomendem fazer compras semanalmente, a decisão de fazer compras semanal ou mensalmente também vai depender do consumidor e do tipo de família. Uma vez que ambas têm as suas vantagens e desvantagens, pode verificar qual o método que funcionará melhor para si.

  • Fazer compras a título mensal permite-nos aproveitar as principais ofertas e descontos dos supermercados, uma vez que temos margem suficiente para adquirir mais alimentos. A principal desvantagem de ir às compras uma vez por mês, é comprar mais alimentos e bens do que aqueles que realmente precisamos e, como consequência, a possibilidade de deitar fora alimentos, devido ao término da sua data de validade.
  • Se optarmos por ir ao supermercado semana a semana, podemos obter produtos frescos a um preço melhor, se forem sazonais e, portanto, podemos poupar, além de que podemos dividir o nosso orçamento por todas as semanas do mês.

Conselhos adicionais

Como referimos, é recomendável dividir os gastos da alimentação básica e das despesas de supermercado por semana. De forma a ajustar estes orçamentos, podemos optar por planear menus diários para a semana e, assim, adaptar os limites semanais e, até mesmo, poupar.

Pode já ter ouvido dizer que os alimentos saudáveis tendem a ser mais caros do que os alimentos processados e, de facto, em alguns casos é verdade. No entanto, se fizermos uma pesquisa por alimentos saudáveis e frescos, como frutas e legumes, por exemplo, através de algumas aplicações, tal vai não só melhorar a nossa saúde, como também vai afetar a nossa carteira, uma vez que podemos preparar refeições saudáveis para vários dias, sem gastar em excesso.

Por último, existem outros conselhos adicionais e imprescindíveis para fazer compras e gastar menos dinheiro, como por exemplo, ir ao supermercado com uma lista de compras já feita para adquirir apenas o que precisamos e comprar alimentos e produtos de marca branca, nos quais podemos encontrar um grande equilíbrio entre qualidade preço.

Escreva um comentário

O seu comentário será analisado pelos nossos editores antes de ser publicado. O seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Este campo é obrigatório.